enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

29/05/2019 08:32h - Atualizado em 29/05/2019 09:14h

Professoras do ensino infantil da rede municipal param em três de junho

Por Vitória Ramos, com Carlos Alberto Alves
Foto CEmei - Ilustrativa
Foto Cemei - Ilustrativa

 

Depois de um ano esperando o recebimento do piso salarial, professoras da primeira infância ainda não foram pagas corretamente; O MEC- Ministério da Educação e Cultura reajustou o valor em 4,17%  para o ano de 2019. As professoras, educadoras no ensino infantil, com formação em magistério, nível ensino médio, deveriam estar recebendo, para 40 horas trabalhadas R$2.557,74. No caso de Passos, como a jornada é de 30 horas semanais, este valor fica em R$1.918,30. As professoras de primeira infância, com acompanhamento do SEMPRE, presidido por Nelza Ifgênia, têm travado uma discussão a cerca de um ano com a Secretaria de Educação, que tem como titular Zinete Guimarães, em torno dessa pauta. Houve momentos em que as negociações avançaram e o prefeito Renatinho Ourives admitiu pagar o piso. Mas na hora de bater o martelo recuou  e disse que a prefeitura não tem recursos para cumprir o assumido com as educadoras. O impasse pode levar a paralisação das professoras de ensino infantil do município.

Essa paralisação já tem data marcada: 3 de junho. O movimento paredista e um alerta para que a prefeitura abra negociação com as educadoras. Caso isso não ocorra pode ser prorrogado por tempo indeterminado.

De acordo com Lilian Shorreyla, professora de primeira infância no Cemei Maria Gomes, as professoras passenses da educação infantil estão há cerca de um ano conversando com Renato Ourives, prefeito da cidade e Zineti Guimarães, titular da secretaria de educação da prefeitura, na tentativa de receberem o piso.  “Fizemos várias reuniões com a Zineti e com o Renatinho; pediram pra gente esperar eles “arrumarem a casa” e a própria Zineti reconhece que o nosso pedido é legítimo.”, afirmou a professora.

Depois de um ano esperando, elas receberam a notícia de que, mesmo aguardando a data prometida, não receberiam o piso salarial devido às questões financeiras da prefeitura. Entretanto, de acordo com Lilian, o impacto no orçamento da prefeitura seria de pouco mais de R$ 50  mil. Ela afirma que a portaria que regulamenta o salário das professoras da primeira infâncial estabelece o piso para 40 horas semanais.  No caso de Passos este valor seria de R$1.918, 74, porque a jornada local é 30 horas.

A  educadora afirmou que há uma decisão tomada entre elas, nos diversos Cemei’s, para que haja a paralisação como forma de protestos contra a decisão da prefeitura em não pagar o piso depois de passar um ano negociando e a administração sinalizar para o pagamento do piso, recuar e negar o pagamento.

A reportagem encaminhou pauta para o SEMPRE- Sindicato dos Empregados da Prefeitura, procurando ouvir a presidente do órgão, Nelza Ifgênia, sobre o assunto, mas não teve sucesso. O mesmo ocorreu com a secretária de educação, Zineti Gumarães, que não respondeu as perguntas que lhe foram encaminhadas poremail, conforme ela solicitou à reportagem.