enquete

  • Aqui vem o tema da enquete que poderá ser alterado acessando o Painel de Controle do Portal.
  • Opção 2
    Opção 3
    Opção 4

21/01/2013 10:54h - Atualizado em 21/01/2013 10:58h

ENTREVISTA: DEPUTADO FEDERAL RENATO ANDRADE

Por Correio do Vale do Rio Grande

 

Deputado Federal Renato Andrade
Deputado Federal Renato Andrade

O deputado federal Renato Andrade em sua primeira eleição para o cargo chegou a quase 60 mil votos na região. Só em Passos teve cerca de 42 mil. Ele não é nenhum novato em campanha eleitoral. Já foi vereador duas vezes em Passos e tem uma tradição de luta política herdade de seu pai, Jonnes Andrade, um líder ruralista e presidente do Sinrural por longo tempo. Renato gosta de dizer que herdou de seu Pai o gosto pela política e de sua mãe, Wolnilza, o respeito pela ética. A campanha de Renato Andrade foi sofrida. Enfrentou obstáculos e escassez de recursos, mas pôs o pé na estrada e estribado no seu carisma conquistou os votos que acabaram por credencia-lo como um político de uma nova safra de liderança. Nessa entrevista ao Correio do Vale do Rio Grande ele abordou temas de interesse da região, bem como também de sua investidura ao cargo de deputado federal, agora para cumprir o restante do mandado e tentar a reeleição.

 

CRVG - Vamos começar por uma breve análise de sua passagem pelo governo de Minas, como subsecretário de Políticas Urbanas. Como você avalia a experiência?

Renato Andrade –Foi uma experiência importante. Pude conviver com  as pessoas mais próximas do governador e também pude estabelecer contato muito próximo com o próprio governador Antonio Anastasia. Ainda pude trabalhar dentro dos meus limites para a região, conseguindo benefícios para muitas cidades e buscando ser um elo entre o Estado e a nossa região.

 

CRVG - Você acredita que tenha conseguido, com sua ação no governo de Minas atender as demandas de Passos e região?

Renato Andrade -Batalhei bastante para isso, mas é claro que não. Assumi como subsecretário por quase dois anos e exerci uma função na área executiva. Tinha a obrigação de levar em frente os projetos da secretaria, a cargo do meu amigo deputado federal Bilac Pinto, mas quando pude tentei influenciar politicamente, como foi o caso da BR-146. Mas agora, como deputado federal, vou ter condições de fazer articulações políticas mais fortes em favor de Passos e região e para que isso alcance sucesso vai ser muito importante o leque de amizades que deixei no governo de Minas, como Bilac Pinto, Danilo de Castro, o vice-governador Alberto Pinto Coelho, Carlos Melles e Nárcio Rodrigues, para ficar apenas em alguns nomes.

 

CRVG - Temos a informação que o governador Antonio Anastasia fez uma ligação telefônica te parabenizando e desejando sorte no seu mandato de deputado federal. Você se considera uma pessoa próxima do governador?

Renato Andrade -Minha atuação no governo de Minas, na Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política Urbana me aproximou do governador. Me considero um aliado dele para os projetos que ele tem para Minas e que, junto com mais lideranças, temos para o Brasil, que é levar o senador Aécio Neves à presidência do Brasil.

 

CRVG - Já perto de assumir seu mandato surgiu a polêmica sobre a mudança do Estatuto da FESP, quando a mudança de alguns artigos tiram do governo a possibilidade de interferir nos destinos da FESP. Você compartilha com essa idéia? E o que pode ser feito - ou já fez alguma coisa - para evitar esse risco?

Renato Andrade -Olha o sonho de Passos e da região é ver a nossa FESP como universidade pública, com a UEMG assumindo todos os cursos e patrimônios que hoje pertencem à Fundação. Essa decisão vem de 1990, quando foi feita a opção pela estadualização.  Essa questão da mudança do Estatuto, principalmente os artigos 23 e 38, que retiram o governador de participar nas decisões cruciais da FESP, me preocupa. Fico imaginando se o governador não tem mais responsabilidade com  a nomeação do Conselho Curador e nem com mudanças do Estatuto o que o levaria a ter que pensar na estadualização da FESP como um todo? Por isso sou contra, mas conhecendo o governador como conheço sei que não é isso que vai impedi-lo de cumprir um compromisso de campanha e sei que teremos nossa universidade pública aqui sim.

 

CRVG - Dá para sonhar com a FESP com todos seus cursos estadualizados ou será que teremos apenas as três faculdades da época da opção em 1990 (Engenharia, Filosofia e Enfermagem)?

Renato Andrade -Eu penso que a estadualização é da FESP e sonho com todos os cursos estadualizados. Eu e toda a sociedade regional.

 

CRVG - Agora você assume como deputado federal. Qual a sua maior preocupação?

Renato Andrade –Quero marcar minha atuação como deputado federal pensando nas carências da região e tentando influir para atender os anseios desta região. Ainda para ficar no ensino universitário, Passos hoje tem uma unidade de ensino federal, o IFSULDEMINAS, e acho que é perfeitamente possível batalhar para que se implante na cidade, beneficiando toda a região, uma universidade federal, mesmo porque o governo federal tem uma política educacional bastante clara voltada para o ensino superior. Claro que isto não quer dizer que se tenha que abandonar o projeto FESP/UEMG, mas a luta pela implantação da universidade federal não pode ser deixada de lado. Penso também que precisamos fazer alguma coisa com relação a uma proposta de mudança na lei do Estatuto da Criança e do Adolescente. A ideia de que o menor não pode sofrer punição precisa ser enfrentada. Ainda não sei o que teremos que fazer, mas é urgente equilibrar direitos e deveres para os menores. Talvez diminuir a menoridade penal, imputando penas para os acima de 16 anos, quem sabe. É uma discussão da qual quero participar e para qual desejo contribuir. Além disso, desejo manter abertas as portas de meu gabinete para as demandas da região e uma que quero ver finalizada é a pavimentação da BR-146, no trecho Passos – Bom Jesus da Penha.

 

CRVG - E no sentido de sua proximidade com o prefeito Ataíde Vilela, como isso pode ajudar na solução dos problemas da cidade?

Renato Andrade -  Sou parceiro de Ataíde. O que ele precisar pode contar comigo e, com certeza, em Brasília vou trabalhar para que os projetos que ele apresente para melhorar as condições de vida da população na saúde, segurança pública e qualquer outra área serão acolhidas pelo meu gabinete e todo esforço para a concretização dos mesmos será feito.

 

CRVG - E o limite do Parque Nacional da Serra da Canastra? Existe algum pedido nesse sentido?

Renato Andrade -Aliar a preservação ambiental com a questão social é um desafio.  Os limites do Parque e a exploração mineral na serra  da Canastra têm que ser olhados com este cuidado. Acredito que a exploração tem que ser feita de modo sustentável e onde ela  for feita ações mitigadoras precisam ser desenvolvidas imediatamente. É importante que todos tenhamos a consciência de que preservar a natureza é o mesmo que preservar a vida no planeta. Portanto, o foco nesse caso é o que pode ser feito para que o  homem use o que a natureza oferece para sobreviver e o que pode ser  dado em troca, como compensação, para que ela não se deteriore de forma incorrigível.

 

CRVG - Pelo que se antevê no cenário para a eleição de 2014, a disputa deve ser acirrada, inclusive com candidatos com muito dinheiro, como se apregoa. Isto te preocupa?

Renato Andrade –Já enfrentei isso uma vez. Vou me preparar para enfrentar de novo. E quero, na hora da conquista do voto, mostrar uma folha de serviço que me faça sentir com  o dever cumprido e merecedor do respeito e os votos das pessoas.